01 maio 2009

15 anos sem Ayrton Senna

Há 15 (quinze) anos, no Grande Prêmio de SAN MARINO, em ÍMOLA, na ITÁLIA, morria o piloto brasileiro AYRTON SENNA, depois que seu carro, uma Williams, passou reto na curva Tamburello e se chocou com o muro de proteção a cerca de 300 km/h.

Mas ele ainda é, para muitos, o maior piloto da Fórmula 1!

Na época, a situação dele no campeonato na era boa, pois considerado favorito absoluto ao título, ainda não marcara pontos, e MICHAEL SCHUMACHER liderava a competição com 02 (duas) vitórias. Ganhar aquela corrida era preciso!

Fora das pistas e ao contrário de muitas estrelas, AYRTON sempre manifestou preocupação com as crianças, com os menos afortunados, tendo afirmado certa vez: "Os ricos não podem continuar vivendo como se fossem uma ilha no meio de um mar de pobreza". Por isso, meses depois do acidente, a família do piloto tomou as primeiras providências para a criação do INSTITUTO AYRTON SENNA, iniciativa que veio de encontro a um sonho do grande campeão.

Organização não-governamental sem fins lucrativos presidida por VIVIANE SENNA, o instituto foi fundado em novembro de 1994, com a finalidade precípua de criar oportunidades de desenvolvimento humano para crianças e jovens brasileiros, em cooperação com empresas, governos, prefeituras, escolas, universidades e ONG's, objetivo que se pode dizer foi alcançado, já que a instituição atendeu até hoje 11.640.930 crianças e jovens, formou 553.512 educadores, atingiu com suas ações 1.372 municípios brasileiros, movimentou 203.417.308 milhões de reais, fazendo-se presente em 26 Estados e no Distrito Federal. Quer ver mais? Assista esse vídeo!


video


Como se pode ver, foi-se o homem, ficou o mito! E mais importante que tudo: o sonho do campeão virou realidade, o que está demonstrado nos números e no vídeo acima. Valeu, SENNA!

Sobre o Autor:
Carlos Roberto Carlos Roberto de Oliveira é advogado estabelecido em Nova Iguaçu - RJ. A criação do Dando Pitacos foi a forma encontrada para entreter e discutir assuntos de interesse geral.

Cadastre seu e-mail e receba nossas postagens

Blog Widget by LinkWithin

10 comentários:

  1. Um ídolo eterno, com abasoluta certeza. Na verdade, o maior nome do esporte brasileiro em todos os tempos.

    ResponderExcluir
  2. Com sobras, o maior ídolo esportivo do Brasil! Um cara que tinha orgulho de sua bandeira! Uma exceção!

    ResponderExcluir
  3. Também acho! Com a morte de Ayrton Senna os domingos de fórmula 1 ficaram vazios, perderam o encanto!

    ResponderExcluir
  4. Eu só tinha 5 anos de idade quando ele morreu. Estava na sala, junto com meu pai, assistindo à corrida, quando houve o acidente.

    Foi difícil esperar pelas notícias e quando a morte dele foi confirmada, nós choramos juntos. Nunca mais vou esquecer aquele dia...

    ResponderExcluir
  5. É verdade! Enquanto se aguardava pelas notícias havia muita esperança de que ele conseguisse sobreviver, o que acabou com a confirmação de sua morte. Foi realmente muito triste!

    Fiquei meses sem assistir à televisão, principalmente aos jornais, que repetiam a todo momento as cenas e detalhes da morte de AYRTON SENNA. Eu não queria ver...

    ResponderExcluir
  6. Eu era muito jovem e pouco interessada em esporte, mas comecei a acompanhar as corridas de fórmula só pra ver o Senna. Eu gostava de ver a determinação, a coragem, a vontade de vencer sempre. Não vou esquecer nunca o seu rosto quando ele estava sentado dentro do carro antes da larga daquela corrida. Chorei muito sentada sozinha na minha sala. Mas é muito bom saber que eles está vivo na obra que a irmã dele tocou em frente. Ela, aliás, é um exemplo para as mulheres: muita raça, muita fibra e coragem, como o campeão.

    VALEU, AYRTON SENNA

    ResponderExcluir
  7. Nossa, eu me lembro da choradeira na família. Meu marido e meu filho inconsoláveis, parecia que tinha morrido alguém da família.
    Em meio aos "mega-soberbos" Prost e Schumacher e dos fricotes do Nelson Piquet, sabe aquela sensação de que morreu a pessoa errada?
    Até hoje não consigo escutar a Canção da América.

    ResponderExcluir
  8. Mas o Ayrton deixou uma lição e tanto. Quem quer fazer faz sem alardes. A gente só veio a saber de todas as obras sociais criadas e ajudadas por ele depois que ele morreu. Como pessoa, nunca esteve envolvido em escândalos como nossos queridos "fenômenos" de futebol.
    A outra lição é realmente de que dinheiro traz facilidade mas não traz felicidade não. A Viviane Senna, irmã do Ayrton e quem leva agora todas as obras que ele deixou, é uma mulher marcada por tragédias pessoais. Nem por isso descamba. Nobreza não vem de título, vem de educação.

    ResponderExcluir
  9. Como sempre acontece, você tem razão, AnaKris!

    A morte do Senna, a quem nunca vi pessoalmente, doeu muito, e naquele momento, me perguntei, sim, porque ele e não uma meia dúzia de dez personagens que ainda estão por aí, inúteis, vazios, sem expressão. Coisas da vida (ou da morte)!

    A irmã dele, VIVIANE, como você disse, uma mulher que já sofreu muito, também é uma campeã, de coragem, de dignidade, de caráter, e em quem muitos deveriam se espelhar.

    Por isso acho que o correto seria dizer: VALEU, SENNA'S!!!

    ResponderExcluir
  10. Vocês tem razão, Ana Kris e Carlos Roberto. Aliás, vocês fazem uma dupla perfeita.

    O certo é dizer: valeu de verdade, SENNA'S!!!

    ResponderExcluir

A existência de qualquer blog depende da qualidade do seu conteúdo, e mais do que nunca, do estímulo de seus leitores. Por isso, não saia sem deixar seu comentário!