29 junho 2015

A República do pixuleco

(Foto: reprodução)

Homem do dinheiro, João Vaccari Neto é citado em diferentes trechos da delação de Ricardo Pessoa. O tesoureiro do PT aparece cobrando propina, recebendo propina, tratando sobre propina. O empreiteiro contou que conheceu Vaccari durante o primeiro governo Lula, mas foi só a partir de 2007 que a relação entre os dois se intensificou. Por orientação do então diretor de serviços da Petrobras, Renato Duque, um dos presos da Operação Lava-Jato, Pessoa passou a tratar das questões financeiras da quadrilha diretamente com o tesoureiro. A simbiose entre corrupto e corruptor era perfeita, a ponto de o dono da UTC em suas declarações destacar o comportamento diligente do tesoureiro: "Bastava a empresa assinar um novo contrato com a Petrobras que o Vaccari aparecia para lembrar: 'Como fica o nosso entendimento político?'". A expressão "entendimento político", é óbvio, significava pagamento de propina no dialeto da quadrilha. Aliás, propina, não. Vaccari, ao que parece, não gostava dessa palavra. 

Como eram dezenas de contratos e centenas as liberações de dinheiro, corrupto e corruptor se encontravam regularmente para os tais "entendimentos políticos". João Vaccari era conhecido pelos comparsas como Moch, uma referência à sua inseparável mochila preta. Ele se tornou um assíduo frequentador da sede da UTC em São Paulo. Segundo os registros da própria empreiteira, para não chamar atenção, o tesoureiro buscava "as comissões" na empresa sempre nos sábados pela manhã. Ele chegava com seu Santa Fé prata, pegava o elevador direto para a sala de Ricardo Pessoa, no 9º andar do prédio, falava amenidades por alguns minutos e depois partia para o que interessava. Para se proteger de microfones, rabiscava os valores e os percentuais numa folha de papel e os mostrava ao interlocutor. O tesoureiro não gostava de mencionar a palavra propina, suborno, dinheiro ou algo que o valha. Por pudor, vergonha ou por mero despiste, ele buscava o "pixuleco". Assim, a reunião terminava com a mochila do tesoureiro cheia de "pixulecos" de 50 e 100 reais. Mas, antes de sair, um último cuidado, segundo narrou Ricardo Pessoa: "Vaccari picotava a anotação e distribuía os pedaços em lixos diferentes". Foi tudo filmado.






28 março 2015

Dilma Rousseff não aprende...

Edinho Silva (foto: reprodução)

Muito bom o artigo assinado pelo Reinaldo Azevedo em seu blog, na Veja. Leia com atenção:

24 fevereiro 2015

Juiz federal é flagrado ao volante do Porsche que mandou apreender de Eike Batista

Foto: reprodução


A cada dia que passa o cidadão brasileiro acumula motivos para desacreditar nas instituições que deveriam ser a base de sua cidadania. O Executivo e o Legislativo chafurdam na lama há muito tempo, e o Judiciário, nossa última esperança, parece querer seguir o mesmo caminho. O juiz federal Flávio Roberto de Souza, responsável pelo bloqueio dos bens de Eike Batista, foi flagrado na manhã de hoje (24/02) ao volante do Porsche Cayenne do empresário quando chegava ao prédio onde funciona a 3ª Vara da Justiça, na Avenida Barão de Tefé, no centro do Rio de Janeiro - RJ.

07 fevereiro 2015

Petrobras: o PT não vai entregar a chave do galinheiro à raposa

Dilma Rousseff (foto: reprodução)

Durante a festa em comemoração aos 35 anos do Partido dos Trabalhadores - PT, realizada ontem (06/02) em Belo Horizonte - MG, a "presidenta" Dilma Rousseff aproveitou seu discurso para defender a Petrobras. Cercada por uma plateia de dirigentes e militantes petistas, entre os quais estava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a chefe do Executivo afirmou que o país precisa ter "orgulho" da estatal brasileira.

03 fevereiro 2015

Graça Foster deixa o comando da Petrobras

Graça Foster (foto: reprodução)

O Palácio do Planalto ainda não divulgou a informação, mas já comunicou à presidente da Petrobras, Graça Foster, que ela será substituída no cargo, já que a "presidenta" Dilma Rousseff, que até aqui a segurou na chefia da megaestatal, convenceu-se de que a posição da amiga e executiva é insustentável, principalmente depois que a empresa tornou pública a necessidade de baixar seus ativos em R$ 88 bilhões por causa da corrupção e ineficiência no planejamento e execução de projetos.

01 fevereiro 2015

Minha Casa, Minha Vida é exemplo de desperdício do dinheiro público

Foto (reprodução)

A propaganda institucional do governo federal, bancada com caminhões do nosso dinheiro, ninguém discute, é das melhores. Dá nó em pingo d'água. Mas quando se vasculha a realidade, descobre-se coisas absurdas, inacreditáveis, como no projeto Minha Casa, Minha Vida, de Poço das Antas, no município de Silva Jardim, a cerca de 120 quilômetros do Rio de Janeiro, onde o conjunto azulado se destaca na paisagem pastoril, mas não mostra o morro que foi escavado para aterrar brejos, nascentes e córregos da reserva biológica daquela cidade, que fluíam para o Rio São João, essencial ao abastecimento de água de meio milhão de pessoas no litoral fluminense.

25 janeiro 2015

Nível de corrupção revelado na operação Lava Jato choca ministros do STJ

Sérgio Moro (foto: reprodução)

A notícia foi veiculada no finalzinho do ano passado, mais exatamente no dia 25 de novembro, mas continua atualíssima, primeiro pelos desdobramentos da Operação Lava Jato, e depois, pelos rumores das ameaças que estariam sendo feitas ao juiz Sérgio Moro, hoje com 43 anos de idade e 18 de profissão, um dos maiores especialistas do país na área de lavagem de dinheiro.