04 outubro 2009

MORRE MERCEDES SOSA

A América Latina perdeu MERCEDES SOSA. A Argentina perdeu LA NEGRA, a "VOZ DOS SEM VOZ".

Ela nasceu em San Miguel de Tucumán (09 de julho de 1935), na província de Tucumán, no noroeste da Argentina, e morreu hoje (04 de outubro de 2009) em Buenos Aires. De ascendência mestizo
(mistura de europeus com ameríndios), francesa e dos indígenas do grupo Quechua.


Em 1950, aos quinze anos de idade, SOSA venceu uma competição de canto organizada por uma emissora de rádio de sua cidade natal e ganhou um contrato para cantar por dois meses nela.


Carreira


Em 1959 gravou seu primeiro álbum, intitulado La voz de la zafra. Ela e o primeiro marido, Manuel Óscar Matus, com quem teve um filho, foram peças chave no movimento musical da década de 1960, conhecido como nueva canción. Em 1965 lançou o aclamado Canciones con fundamento, uma compilação dos sons folcóricos da Argentina. Em 1967 fez uma turnê pelos Estados Unidos e pela Europa, obtendo êxito internacional. Em 1970 gravou Cantata Sudamericana e Mujeres Argentinas, com o compositor Ariel Ramirez e o letrista Felix Luna. Em 1971 gravou um tributo à cantora e compositora chilena Violeta Parra, ajudando a popularizar a canção Gracias a la vida.


Mais tarde gravaria um álbum em homenagem a Atahualpa Yupanqui. Nos anos seguintes, SOSA interpretou um vasto repertório de estilos latino-americanos, gravando tanto com artistas argentinos como León Gieco, Charly García, Antonio Tarragó Ros, Rodolfo Mederos e Fito Páez, quanto com internacionais como Chico Buarque, Daniela Mercury, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Gal Costa, Sting, Andrea Bocelli, Luciano Pavarotti, Nana Mouskouri, Joan Baez, Silvio Rodríguez e Pablo Milanés. Mais recentemente, gravou com a colombiana Shakira, cantora latino-americana de maior sucesso no exterior.


Após a ascensão da junta militar do general Jorge Videla, que depôs a presidente Isabelita Perón, em 1976, a atmosfera na Argentina tornou-se cada vez mais opressiva. SOSA, conhecida ativista do peronismo de esquerda, foi revistada e presa no palco durante um concerto em La Plata, em 1979, assim como seu público. Banida em seu próprio país, ela se refugiou em Paris e depois em Madri.


Seu segundo marido morreu um pouco antes do exílio, em 1978. SOSA retornou à Argentina em 1982, vários meses antes do colapso do regime ditatorial como resultado da fracassada guerra das Malvinas, e deu uma série de shows no Teatro Colón, em Buenos Aires, onde convidou muitos colegas jovens para dividir o palco com ela. Um álbum duplo com as gravações dessas performances logo se tornou um sucesso de vendas. Nos anos seguintes, SOSA continuou a fazer turnês pela Argentina e pelo exterior, cantando em lugares como o Lincoln Center, o Carnegie Hall e o Teatro Mogador. Seu repertório continuou a se ampliar, tendo gravado um dueto com a sambista Beth Carvalho, intitulado So le pido a Dios, cada uma cantando em seu idioma. Em 1981 gravou o sucesso Años, com o cantor cearense Fagner. Seu último álbum, Cantora, traz duetos com artistas que são referência na música latino-americana.



Morte

SOSA faleceu hoje, aos 74 anos de idade, às 5h15min (horário local), em Buenos Aires.


Ela foi internada no dia 18 de setembro na Clínica de La Trinidad, no bairro de Palermo, por causa de um problema renal. Seu quadro piorou a partir do momento em que teve complicações hepáticas e pulmonares. Em seus últimos dias, foi mantida sedada, respirando com a ajuda de aparelhos. Seu corpo foi velado no Congresso Nacional, em Buenos Aires, e será cremado no cemitério de La Chacarita. Uma parte de suas cinzas será espalhada em sua província natal. A outra será colocada em Mendoza, província pela qual havia declarado sentir um grande amor. O restante permanecerá na capital argentina, onde morava há décadas. A cantora havia trabalhado intensamente até poucas semanas antes de sua morte.


Em 2008 ela disse que continuaria cantando "até os últimos dias", como uma cigarra. Antes de todos os jogos de futebol da sétima rodada do Torneio Apertura 2009, as torcidas observaram um minuto de silêncio em homenagem à cantora. A presidenta argentina Cristina Kirchner declarou luto oficial pela morte de SOSA, e decidiu antecipar o retorno de uma viagem à Patagônia para comparecer ao velório da cantora.


Confira a canção Gracias a la Vida, ouvindo o clip abaixo. Vale a pena!


video

Sobre o Autor:
Carlos Roberto Carlos Roberto de Oliveira é advogado estabelecido em Nova Iguaçu - RJ. A criação do Dando Pitacos foi a forma encontrada para entreter e discutir assuntos de interesse geral.

Cadastre seu e-mail e receba nossas postagens

Blog Widget by LinkWithin